29 março 2006

Qual é a essência do Cristianismo?


A Igreja Cristã hoje em dia tem vivido um “cristianismo de ênfases”. Esse “cristianismo de ênfases”, não é nada novo, tem sido comum ao longo da história. Cada individuo se apega a determinadas doutrinas e práticas e as coloca como mais centrais e cruciais de uma vida cristã autêntica. Daí surgem as divisões institucionais e denominacionais. Cada qual lê as Escrituras(isso quando lêem) segundo uma visão predeterminada do que seja mais importante. Não consegue-se analisar as Escrituras como um todo, sem enfatizar uma coisa em detrimento da outra. Cada um tem seus pressupostos. Há alguns ramos(sem querer esgotar o assunto), que não são necessariamente denominações, que gostaria de destacar:

1) “Os Escolásticos” – ênfase exagerada a uma conjunto de definições teológicas precisas, onde a vida cristã se resume a aceitar doutrinas corretas.

2) “Os Místicos” - ênfase na experiência interior, na busca do êxtase, do mistério, com esvaziamento doutrinário e esquecimento das Escrituras como fonte da revelação de Deus. A vida cristã se resume aos sentimentos e sensações, sendo a experiência pessoal critério para verdade.

3) “Os Pietistas” – consideram-se uma reação à ortodoxia “morta”, e enfatizam os aspectos “práticos” da vida cristã.

4) “McDonald´s eclesiásticos” – esse é o ramo mais visível e mais comum, inclusive aos anteriormente citados, que também podem se encaixar nessas características( é um ramo bem amplo).

Cada individuo se encaixa(congrega) na denominação que atenda aos “anseios de seu coração”, sendo as suas necessidades pessoais a medida de todas as coisas. A questão do serviço ao corpo e da edificação da comunidade têm sido esquecidas, e o que tem prevalecido é a busca por “bênçãos”. “Bênçãos” que têm uma conotação não-biblica.

Considera-se benção a satisfação das necessidades pessoais, e quase sempre essas se resumem a questões materiais. “Bênçãos” com critérios subjetivos e que afloraram o nosso egocentrismo pecaminoso. O desprendimento do conforto pessoal com vista às necessidades do próximo tem papel secundário na vida dos cristãos. O sacrifício pessoal por amor a Cristo é visto apenas como uma questão teórica, e válida somente em contextos de perseguições religiosas.

Então, qual é a essência do Cristianismo?

3 Comments:

At 4:19 PM, Blogger Renato Luiz said...

Infelizmente somos radicais em pontos que não respondem verdadeiramente sobre a essência do Cristianismo!
Perdemos tempo com questões que não vão ao encontro dos mais profundos anseios humanos.
O que significa a cruz de Cristo?
Sofrimento é uma palavra que está sendo deletada do vocabulário cristão atual.
É triste!
Resta-nos não desistir!
Não somos os melhores, mas reconhecemos nossa necessidade de Deus e buscamos a única e libertadora Verdade...
Que o Senhor nos instrua nessa busca,
pois mais vale a "angústia" da busca do que a "paz" da acomodação!

Lelê,
Sou motivado a continuar nesta busca cada vez que leio os teus escritos!
Depois vamos conbinar um dia para trocarmos umas idéias.
Deus te abençoe ricamente!
Grande abraço...

 
At 6:48 PM, Anonymous Fábio GN said...

É de fato uma assunto muito amplo. O questionamento do final abre então a meditação sobre o tema. Muito legal mesmo! Mas algumas vezes acho que Deus usa destas "enfases" para curar pessoas... Tal como a enfase no radicalismo contra festas e bebidas, que pode ser usada por Deus como um meio de trabalhar na vida da pessoa até que ela se torne madura e forte para lidar com a situação. Bem, é algo a se pensar.
Continue sendo benção em nossas vidas! Parabéns pelo texto!
Abração broder!

 
At 10:22 PM, Anonymous Paulo Sacramento said...

Essa é uma reflexão deveras pertinente, ainda mais em tempos de expansão da teoria da prosperidade.

 

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home